Processo contra o médico: como se resguardar?

Gavel and Stethoscope on Reflective Wooden Table.

Veja quais são as precauções que devem ser tomadas pelo médico para evitar processos na justiça

Todo processo judicial tem início com a visita de um oficial de justiça, o que significa para muitos médicos uma dor de cabeça que po­derá durar meses. De início, vem ao profissional uma sensação ruim em relação ao paciente.

Uma dica para o médico é: caso, no início da relação com o paciente, ele desconfie de algo que poderá prejudicá-lo fu­turamente, o profissional pode fazer um desenho ou uma marca­ção diferenciada no prontuário do paciente, com o objetivo de indicar que esse cliente merece atenção especial.

Se o paciente faltar à consulta, o médico pode enviar um te­legrama convocando-o a voltar. Além disso, tudo o que for dito durante a consulta precisa ser anotado no prontuário.

O médico também pode utilizar o Termo de Consenti­mento, e precisa evitar a criação de falsas esperanças, sendo o mais realista possível.

LEIA MAIS: Os dois lados do erro médico

Ação cível

O paciente que se sentir prejudicado pelo resultado de um determinado procedimento poderá ajuizar uma ação cível, com o objetivo de ser ressarcido financeiramente pelos gastos com a cirurgia e pelo custo de uma nova cirurgia reparadora se for o caso, além de medicamentos, fisioterapia e próteses.

Ele pode ainda reclamar uma indenização por dano moral, caso tenha ficado com alguma deformidade física (chamado dano estético) ou por haver sofrido algum tipo de constrangimento.

Ação penal

A ação penal, por sua vez, visa a punir o agente que comete um fato previamente definido como crime. Aqui, a ví­tima é a sociedade como um todo. O paciente pode, em tese, propor uma ação penal de lesão corporal contra o médico se algum procedimento vier a causar um dano físico desnecessá­rio, por imperícia, imprudência ou negligência do profissional.

Nesse tipo de ação, também cabe um acordo financei­ro entre as partes, pondo fim à ação. O acordo deverá ser proposto no Juizado Especial Criminal, podendo a pena de prisão ser convertida em serviços comunitários ou auxílio a entidades assistenciais.

De qualquer forma, deverá ser com­provada a culpa do profissional para que haja sua conde­nação. No caso de morte do paciente, o médico poderá ser processado pelos familiares tanto cível como criminalmente.

LEIA MAIS: DOC Responde: O que fazer se um paciente meu cair ou se acidentar no meu consultório?

Procure auxílio de um advogado

Sendo o médico citado pelo oficial de justiça, deverá imediatamente procurar um advogado. Agora, o tempo é seu maior inimigo, já que, na maioria das ações, o prazo para responder será de 15 dias.

Em casos assim, o médico deve buscar um profis­sional com especialização em Responsabilidade Civil, e dentre esses, um que atue na área médica, devido a sua intrínseca especialização.

Quais são as provas?

Nesse momento, é hora de notar a função de um bom prontuário médico e um Termo de Consentimento Infor­mado. Nada que se faça poderá impedir o paciente de ajui­zar uma ação. Porém, caso ele entre com o processo, toda a documentação servirá de base para a defesa do médico.

Por exemplo: a cópia do telegrama enviado para o pa­ciente retornar ao tratamento é prova bastante de que o médico não lhe deu alta, bem como o Termo de Consen­timento Informado caracteriza quais eram as expectativas reais no tratamento. Dessa maneira, o juiz ficará bem à vontade para julgar que a ação não procede, inocentando o médico no processo.

LEIA MAIS: A insegurança no exercício da Medicina

Não faça acordos sem um processo judicial

Um acordo poderá ou não fazer parte da estratégia de defesa. Porém, o que não se pode concordar, em hipótese alguma, é a celebração de um acordo sem a existência de um processo judicial.

Caso contrário, feito o acordo de qualquer valor com o paciente, ele poderá mesmo assim ajuizar a ação, alegando ao juiz que o médico reconheceu o erro ao devolver o dinheiro e que, apesar de o dano ma­terial ter sido ressarcido, falta ainda o dano moral.

Nessa situação, a defesa fica completamente prejudicada. Embora a lei assim não o considere formalmente, o acordo sempre implica perante a opinião pública uma confissão de culpa por parte do réu. Por isso, muitas ve­zes, é preferível que o acordo seja evitado, principalmente quando as chances de vitória são razoáveis.



Categorias:Carreira Médica, Gestão e Finanças

Tags:, , , , ,

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.