Arquivos de autor: Max Grinberg

Conexão via aplicativo entre “meu médico” e “meu paciente”

  O progresso biotecnológico tende a distanciar o médico do paciente. A inovação da tecnologia de comunicação interpessoal aproxima. Considerando que a tecnologia é benéfica, é importante analisar o quanto de distanciamento e de aproximação de fato acontece e deve ser evitado em nome da ética. Pontos de referência são a relação médico-paciente presencial, que admite o espaço íntimo do exame físico e do procedimento invasivo

Ler mais

Vulnerabilidade: característica inerente do ser humano

Hipócrates reconheceu a vulnerabilidade do ser humano. Enquanto afastou a Medicina da revelação divina, percebeu que o médico, por dominar uma relação humana plena de afetos contraditórios, precisa evitar a aplicação de métodos com mais risco de provocar danos do que trazer algum benefício à necessidade clínica. O princípio hipocrático da não maleficência é um dos pilares da Bioética. Em

Ler mais

O bordão do Chacrinha na beira do leito

Legado de Chacrinha para a Medicina

Chacrinha, o pernambucano José Abelardo Barbosa de Medeiros (1917-1988), foi um estudante de Medicina que não se formou. Todavia, legou para os ex-futuros colegas um bordão “pé no chão” imprescindível para a saúde da relação médico-paciente: “Quem não se comunica se trumbica!”. Não é uma expressão ao gosto da Academia, mas é de uma veracidade ímpar, cada vez mais consistente

Ler mais

Quando o prontuário precisa de tradução

Dizem que o tempo disponível para alguém fazer a redação de um texto influencia em sua qualidade. É uma meia-verdade. Quanto à outra metade, relacionada ao talento, à educação e ao hábito, Blaise Pascal (1623-1662) ironizou: “Eu escrevi esta carta longa porque não tive tempo de fazê-la mais curta”. Uma anamnese traz o jeito com que o paciente se expressa

Ler mais